sebrae ma

Sebrae trabalha criação de selo de identidade regional para produtos da Baixada Maranhense

A ação é uma iniciativa do Sebrae Maranhão, em parceria com a Associação Maranhense dos Artesãos Culinários (Amac) e participação...

A ação é uma iniciativa do Sebrae Maranhão, em parceria com a Associação Maranhense dos Artesãos Culinários (Amac) e participação das Universidades Federal e Estadual, por meio do Polo de Empreendedorismo Rural da Baixada Maranhense.

Uma inovadora experiência gastronômica para promover alimentos genuinamente maranhenses, encontrados nas regiões da Baixada e do Litoral Ocidental. Esse foi o objetivo da expedição culinária, realizada pelo renomado chef internacional de cozinha e presidente da Associação Maranhense dos Artesãos Culinários (Amac), Júnior Ayoub. A ação é uma iniciativa do Sebrae Maranhão, em parceria com a Amac e universidades públicas.

A expedição culinária percorreu em dois dias e passou por quatro municípios: São Bento, Peri Mirim, Palmeirândia e Bequimão. A ação serviu para pesquisar e descobrir os sabores locais que tem potencial gastronômico, turístico e econômico para impulsionar a gastronomia na região.

“Com essa visita eu tive ainda mais certeza de que o Maranhão é riquíssimo e o que estava faltando era essa união, que já está acontecendo entre as instituições, como o Sebrae e a Amac, fazendo com que nosso estado mostre, bem mais rápido, coisas inéditas de uma gastronomia tão diversificada e rica. Essa vinda para cá só fortaleceu essa ideia e concretizou essa parceria”, afirmou Ayoub.

A ação é uma iniciativa do Sebrae Maranhão, por meio de sua unidade regional de Pinheiro, em parceria com a Associação Maranhense dos Artesãos Culinário (Amac) e participação das Universidades Federal (UFMA) e Estadual (Uema), por meio do Polo de Empreendedorismo Rural da Baixada Maranhense, que visa melhoramento os produtos tradicionais da região e a competitividade dos mesmos no mercado regional, estadual e nacional, considerando a perspectiva da pesquisa gastronômica e do empreendedorismo.

Segundo o Diretor Superintendente do Sebrae Maranhão, João Martins, a ideia é trabalhar primeiramente o incremento de produtos que já são tradicionais da Baixada Maranhense, como o queijo, de São Bento; a farinha biriba, de Pinheiro; o mel de abelha nativa (tiúba), produzida em sete municípios da região; o abacaxi de Turiaçu e um produto que poderá ser comercializado como o bacalhau da Baixada, que é a jabiraca seca ou traíra seca e desidratada, sem uma técnica de manejo, manipulação e armazenamento adequados.

“A partir disso iremos trabalhar juntamente com esses empreendedores e instituições parceiras, para que sejam criados, os Selos de Classificação Geográfica e de Denominação de Origem para que os produtos possam ser reconhecidos pelo consumidor como advindos da região”, afirma Martins.

A EXPEDIÇÃO

No primeiro dia de visitas, Ayoub pode conhecer e provar direto da fonte, o delicioso mel da abelha Tiúba, uma espécie nativa que não possui ferrão e é perfeitamente adaptada ao ecossistema local, criadas na propriedade do empreendedor rural Mário Andrade, localizada na rodovia que dá acesso ao município de São Bento, onde o chef também conheceu o famoso queijo que leva o nome da cidade. Para finalizar o primeiro dia de expedição, uma visita às cidades de Peri Mirim e Palmeirândia, em busca de ainda mais ingredientes típicos da culinária maranhense.

O segundo dia da expedição gastronômica à região da Baixada Maranhense, serviu para que o chef conhecesse o povoado Pontal, na zona rural de Bequimão, famoso por sua produção de queijo artesanal. Foi exatamente procurando esse delicioso queijo que Ayoub, guiado pelo líder local, Pedro Acará, conheceu as famílias de Lino Rodrigues e João Ligeiro, tradicionais produtoras de queijo na região.

“Eu aprendi essa arte de produzir queijos com a minha mãe e hoje meu filho se encarrega da produção. Minha maior preocupação é dar continuidade a essa tradição e não deixar que ela morra com o passar do tempo”, disse Lino.

A visita do chef Júnior Ayoub, foi finalizada com um almoço digno da alta gastronomia, preparado em parceria com o também chef de cozinha e membro da Associação dos Artesãos Culinários do Maranhão, Felipe Marques, e servido para alguns convidados, entre eles a gerente regional do Sebrae em Pinheiro, Graça Fernandes.

No cardápio, uma entrada utilizando um tubérculo da família do inhame, conhecido na região como Cará Roxo, a popular farinha Biriba e o queijo produzido na Baixada, que juntos deram origem ao prato batizado de “Croc da Baixada”.

Como prato principal, os convidados degustaram arroz com legumes regionais, acompanhado por um confit de pato silvestre do campo, guarnecidos pelo queijo da Baixada e pelo mel da abelha Tiúba, produzidos na região.

“É impressionante como é possível transformar ingredientes regionais, até então vistos por nós como simples, em pratos de alta gastronomia e essa é a nossa intenção, mostrar para os culinaristas locais que com produtos regionais eles podem alcançar outros públicos e atrair maior número de clientes”, destacou Graça Fernandes.

POLO DE EMPREENDEDORISMO RURAL DA BAIXADA

O Polo de Empreendedorismo Rural da Baixada Maranhense, criado a partir do acordo de Cooperação Técnica assinado entre Sebrae e Governo do Estado, por meio da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), foi idealizado para ser um espaço de disseminação de conhecimento, tecnologia, gestão de negócios e noções de mercado para os produtores rurais e pesquisadores na região. A estratégia é desenvolver os negócios rurais e alavancar a economia dos municípios envolvidos.

As ações do polo visam fortalecer as atividades de meliponicultura, fruticultura, piscicultura, pesca artesanal, produção de farinha, ovinocaprinocultura, produção de queijo, criação sustentável de aves, produção de cachaça e o turismo rural, entre outras cadeias produtivas da região.

“Por meio do Polo, queremos utilizar o que já existe aqui na região, potencializando as vocações produtivas e gerando resultados para mais pessoas. O Sebrae está preparado para fomentar o empreendedorismo, por meio de ações efetivas neste espaço e, na área que não tivermos um consultor disponível, buscaremos em outros estados, de forma que todos os que nos procurarem sejam atendidos e possam a contribuir para a consolidação do polo”, ressaltou Martins.

VER COMENTÁRIOS

Artigos relacionados