Logo
  • A Cobra Vai Fumar: Fraude no setor de pesca preste a ser detonado pela Polícia Federal

    A fraude no setor de pesca no estado do Maranhão pode levar um
    deputado federal e outro estadual à cassação. A coisa é feia e está sendo
    apurada pela Polícia Federal.

    Em municípios que sequer existem lagos, é bastante elevado o número de pescadores
    aposentados. É uma roubalheira das mais impressionantes, envolvendo colônias e
    sindicatos de pescadores.

    Um exemplo pode ser verificado na cidade de Rosário, cidade que tem uma
    população de 39 mil habitantes, dos quais 20 mil estão cadastrados como
    pescadores em duas entidades. 

    Bacabeira é outro exemplo dessa bandalheira. Lá só tem os lagos sazonais
    do campo de Perizes, o que gerou mais de 5 mil pescadores cadastrados. Esse
    contingente de falsos coletadores de pescados é responsável por desvio de
    grandes somas, seja através de aposentadorias fraudulentas ou do pagamento no
    período do defeso.

    Uma história hilária foi relatada por um funcionário da Caixa Econômica,
    destacando que foi auxiliar uma loura jovem e bem vistosa, que se identificou
    como pescadora. Ao observar que a dita cuja sequer conhecia um anzol, o
    bancário, gozador, indagou se no município dela não se pescava picanhas, chã e
    alcatra, ao que ela respondeu:
    -Olha, esses tipos de peixe são difíceis, mas a gente consegue pescar de
    vez em quando.

    Daí dá para se tirar uma conclusão da corrupção que infesta o setor
    pesqueiro no Maranhão, envolvendo parlamentares, presidentes de colônias, de
    sindicatos e os tais “procuradores”.

    Em Governador Nunes Freire a coisa não é diferente. Com sede no
    Bairro da União, o sindicato dos pescadores já tem mais de três mil
    pescadores cadastrados. Agora só falta saber, onde é que três mil
    pescadores encontram tantos rios no município para pescar? 

    Na Polícia Federal, o assunto é que a cobra vai fumar agora no mês
    de dezembro, quando concluírem as investigações e remeterem o inquérito para a
    Justiça Federal.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!