Logo
  • Estudantes reivindicam meia-passagem para o ferryboat

    Em
    alerta e na expectativa. Mais de três mil estudantes tanto do ensino
    fundamental, médio e superior podem a partir do mês de outubro deste ano
    adquirir o direito de pagarem somente 50% do preço da passagem cobrada nas
    viagens que são feitas pelo ferry boat e outras embarcações. Isso será
    garantido após acordo fechado entre as empresas de serviços portuários,
    inclusive, a Servi-Porto, e a Central Estudantil de São Luís.


    Diariamente ou semanalmente, milhares de estudantes, que moram nas cidades da
    Baixada Maranhense como Alcântara, Pinheiro, Palmeirândia, Mirinzal e dentre
    outras, estudam em São Luís e são obrigados a viajar nas lanchas ou nos
    ferry-boats que fazem a travessia pela baía de São Marcos. Muitos chegam a
    pagar até 60 reais pelo preço da passagem e outras o valor de R$ 20.

    Em consequencia do alto valor cobrado pelo transporte, a maioria desses
    estudantes chega a passar a semana inteira na capital e retorna a sua cidade de
    origem no final de semana. Ana Amélia, de 16 anos, estudante do Colégio
    Gonçalves Dias, falou que a sua amiga de classe, Maria Silva, mora em Alcântara
    e volta para a casa em 15 e 15 dias, pois, a família dela não tem condições de
    pagar passagens no ferry todos os finais de semana.

    O estudante Marcos Antônio Sousa, de17 anos, disse o “colega de classe” habita
    em Palmeirândia e, no momento, está retornando para a casa somente uma vez por
    mês e foi obrigado a alugar uma kinete, nas proximidades do colégio onde
    estuda, o Colégio Cintra, no Anil.

    Já Miguel Lins, de 15 anos, todos os sábados volta à cidade de Alcântara e
    chega a gastar mensalmente R$ 80 a R$ 90 em passagens no ferry. “Faz parte do
    meu cotidiano chegar em São Luís por volta das 6h30 da manhã de segunda-feira e
    correr para o Cegel e no final de semana passar em casa curtindo a minha
    família”, disse o estudante.

    Buscando pela meia- passagem

    “Uma das nossas bandeiras de luta para este ano é justamente a busca pela meia
    passagem dos estudantes nos ferry-boats e nas lanchas”, afirmou a presidente da
    Central Estudantil de São Luís, Clarissa Almeida.
    Também falou que vários atos
    estão sendo realizados pela cidade pelos estudantes para almejarem esse
    objetivo. Uma das últimas ações foi uma passeata que ocorreu no dia 9 de agosto
    onde reuniu mais de cinco mil estudantes. O ponto de concentração foi no
    Complexo Educacional Governador Edison Lobão (Cegel), no Centro, e saíram em
    direção a Praça Nauro Machado, na Praia Grande.


    No decorrer do trajeto do movimento, os estudantes levantaram a bandeira de
    luta para conquistar a meia passagem nessas viagens e ainda por eleições para
    diretor de escolas públicas, ampliação de salas de computação e dentre outras
    reivindicações.

    Segundo Clarissa Almeida, está agendada uma reunião com os representantes da
    Central Estudantil e a classe empresarial portuária, principalmente, com a
    Servi Porto, para o mês de outubro. Nesse encontro será demonstrada a situação
    dos estudantes e expostos os benefícios que terão a classe estudantil com
    aprovação do tributo da meia passagem nas embarcações que fazem o percurso
    entre o Porto do Cujupe e a Ponta da Espera. 
    Ferry e lanchas
    Ferry Cidade de Alcântara: capacidade média de 350 passageiros e 35 carros
    pequenos; valor R$ 8 por pessoa e carro de passeio R$ 60
    Ferry Cidade de Pinheiro: capacidade média de 900 passageiros e 50 carros
    pequenos; valor R$ 8 por pessoa e carro de passeio R$ 60
    Ferry Cidade de Cururupu: capacidade para 348 passageiros e 35 carros pequenos;
    valor R$ 8 por pessoa e carro de passeio R$ 60
    Lancha Diamantina: capacidade para 80 passageiros e o preço por pessoa R$ 10
    Número
    3 mil estudantes serão beneficiados para pagar meia passagem nas embarcações 
    Olho
    “Uma das nossas bandeiras de luta para este ano é justamente a busca pela meia
    passagem dos estudantes nos ferry-boats e nas lanchas”. Clarissa Almeida –
    presidente da Central Estudantil de São Luís.
     O Imparcial.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!