Logo
  • Jovem busca atendimento por fratura na perna e sai morto do Hospital Antenor Abreu de Pinheiro

    Apenas
    quatro horas. Esse foi o tempo necessário para que o jovem Gerlandeson Silva
    Veloso de 23 anos morresse depois de receber uma dose de medicamento  no hospital
    Antenor Abreu em Pinheiro.
     Gerlandeson sofreu um acidente de motocicleta
    na cidade de Turiaçu, onde teria sofrido um acidente e apenas quebrado a perna
    esquerda. O que foi confirmado pelo amigo Robson dos Santos que o socorreu.
    Por falta
    de um ortopedista foi transferido para o Hospital Regional Antenor Abreu em
    Pinheiro. Chegou por volta das 10:00 horas da manha e tudo ia bem até 1:00hora
    da manhã quando foi acordado e lhe aplicaram uma dose de medicamento.
    A partir
    daí o jovem começou a passar mal, contou a sua mãe que ouviu do filho que ele
    sentia uma aceleração no coração depois da medicação. Cinco minutos depois ele
    começou a passar mal. A mãe desesperada ainda fez uma massagem em seu peito. Já
    era tarde e sem a presença de um medico, Gerlandeson começou a se debater.
    Desesperada
    a mãe gritava pelos médicos, que se encontravam dormindo e segundo a mãe não
    queriam ser incomodados, disseram as enfermeiras. Aos gritos e já
    escandalizando a mãe conseguiu com que um médico aparecesse e aos prantos perguntava
    ao medico o que estava acontecendo com o seu filho, e ao puxar pela camisa do
    medico que já saia da sala ouviu: “o seu filho estar morrendo” e saiu.
    A mãe
    desesperada, procurou a direção do hospital e ouviu muitas explicações e muitos
    motivos que poderiam ter matado o seu filho. Foi levada a sala da secretária
    Dr. Graça que lhe pediu  para que o caso
    não fosse divulgado.
    Dona
    Maria Célia relatou: “vi meu filho morrendo lentamente como um animal, sem a
    presença de um medico, apenas com uma perna quebrada e com enfermeiras que
    depois soube, eram todas estagiárias; depois de ter recebido uma dose de
    medicamentos, que talvez não fosse nem para o meu filho, Sou pobre quero
    justiça, Não vou sossegar vou procurar meus direitos e quero que os culpados
    pela morte do meu filho sejam punidos”
     A direção do hospital não forneceu o laudo e
    nem disse qual foi a causa da morte de mais um paciente que chega vivo e sai
    morto dos hospitais de Pinheiro.
     

    1 Comentário

    1. david boaes disse:

      se eu fosse ela eu procesaria esses bando de vagabundos que tem nesse hospital, pois ninguen e animal para ser tratado desse jeito, o erro deles foi não ezaminar o paciente , e com isso lhe aplicaram esse medicamento , e por isso eu tou indiguinado com esses bando de incompetente que trabalhão nesse tal hospitam,

    Deixe o seu comentário!