Logo
  • Julgado em São Luís, “Lord” produtor de festas é condenado por homicídio em Pinheiro

    O 4º Tribunal do Júri de São Luis
    condenou a 17 anos e seis meses de reclusão o produtor de festas José Lourenço
    Boás de Amorim, conhecido como “Lord”. Ele assassinou Marcelo Maramaldo Lima,
    na noite de um domingo, dia 19 de abril de 2009, na Praça Matriz da cidade de
    Pinheiro (MA).
    O julgamento que ocorreria na Comarca
    de Pinheiro foi transferido para São Luis após pedido de desaforamento feito ao
    Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA). Presente na sessão do júri, na última
    sexta-feira (06), o acusado confessou o crime, mas disse que não tinha a
    intenção de matar Marcelo Maramaldo Lima. Os jurados rejeitaram as teses de
    legítima defesa e desclassificação para o crime de homicídio culposo.
    Segundo a denúncia, após agredir
    Marcelo Maramaldo a chicotadas, o acusado atirou na vítima. A discussão entre
    eles teve início porque a vítima estava urinando em via pública.
    Na sentença, o juiz José Ribamar
    Goulart Heluy Júnior afirma que a conduta social do acusado não é boa porque o
    próprio réu declarou em plenário ter o costume de andar armado de revólver sem
    possuir porte, nem registro da arma.
    Preso em flagrante, José Lourenço
    Boás fugiu da Delegacia Regional de Pinheiro seis meses após o crime e somente
    se apresentou após a revogação da prisão em janeiro de 2012. Considerando
    também que o acusado não possui vínculo empregatício, o juiz negou-lhe o
    direito de recorrer da decisão em liberdade e expediu o mandado de prisão.
    Matou em velório- No 4º Tribunal do
    Júri foi condenado a 19 anos, quatro meses e 15 dias de reclusão o ajudante de
    carpintaria Ubiraci dos Santos Borges Filho, o “Yuri”, pelo assassinato de
    Jadson Magalhães Silva, conhecido como “Didi”, na manhã do dia 08 de fevereiro
    de 2011, quando a vítima estava em um velório, no bairro Aurora. O acusado está
    preso, condenado pela morte de um cunhado de Jadson Magalhães.
    Durante o no julgamento, na semana
    passada, o acusado disse que matou Jadson Magalhães com medo dele vingar a
    morte do cunhado. A vítima era casada e tinha três filhos pequenos.
    No dia do crime, Ubiraci dos Santos
    saiu de casa armado à procura de Jadson Magalhães e, após avistá-lo efetuou
    três tiros. Ele também responde processo na 5ª Vara Criminal.
    José Lourenço Boás de Amorim e Ubiraci dos Santos Borges
    Filho cumprirão a pena em regime fechado, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas,
    em São Luís.

    (Ascom/CGJ)

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!