Logo

Mais de 20 suspeitos de integrarem organizações criminosas no Maranhão são presos durante a Operação Cangalha

As prisões foram realizadas durante a segunda edição da Operação Cangalha, coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) em parceria com a Polícia Civil do Maranhã

Entre os dias 15 de agosto e 14 de setembro de 2022, foram presas 22 pessoas, suspeitas de integrarem organizações criminosas no Maranhão. As prisões foram realizadas durante a segunda edição da Operação Cangalha, coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) em parceria com a Polícia Civil do Maranhão.

A Operação Cangalha teve como foco a repressão qualificada a organizações criminosas, ações em presídios e erradicação de plantações de maconha.

No decorrer da operação no Maranhão, a Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), através do Departamento de Combate ao Crime Organizado (DCCO), executou 16 mandados de busca e apreensão em endereços nas cidades de São LuísTimonCaxiasParnaramaCururupuImperatriz e Bacabal. Além disso, foram apreendidos 204 kg de maconha, avaliados em R$ 900 mil; três veículos de luxo e uma carga roubada, com valor estimado em quase R$ 1 milhão.

Segundo o MJSP, a operação foi realizada nos nove Estados da região Nordeste, com a adesão de todas as unidades da Polícia Federal, das Secretarias Estaduais de Segurança Pública e engajamento das polícias civis e militares, das Secretarias Estaduais de Administração Penitenciária, com suas polícias penais, do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e da Polícia Rodoviária Federal, além das Forças-Tarefas de Combate ao Crime Organizado em Fortaleza, Mossoró, Natal, João Pessoa e Piauí.

Esta é a segunda edição da Operação Cangalha, que visa combater organizações criminosas levando em consideração as peculiaridades regionais do país. Parte do trabalho teve articulação no âmbito do projeto M.O.S.A.I.C.O., que fomenta a integração de policiais encarregados de investigar organizações criminosas com foco na sua descapitalização.

G1MA

0 Comentários

Deixe o seu comentário!