Logo
  • Na mídia: Pesquisadores estudam sítios arqueológicos

    ssJosenias Amaral dos Santos, assim como a maioria das pessoas que cresceram à beira dos campos alagados na Baixada Maranhense, principalmente nos municípios de Santa Helena, Penalva, Pinheiro e Olinda Nova, vivia juntando cacos de cerâmica, pedaços de pedras e até mesmo peças inteiras, como pequenos vasos e cachimbos, que eram encontrados na água.

    Na época, o menino não tinha muita consciência do que era aquilo. Só ouvia o relato dos mais velhos de que eram objetos dos índios, mas hoje, aos 49 anos, ele tem consciência de que os “caquinhos” encontrados fazem parte da história de um povo anterior ao seu e cuja importância para o entendimento da humanidade é crucial.

    Continue a leitura da reportagem.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!