Logo
  • Othelino cobra do prefeito de Codó explicações para escola precária

    Othelino Neto disse que os repasses do Fundeb
    colocam a Prefeitura de Codó em uma situação muito difícil

    O
    deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) cobrou do prefeito de Codó, Zito Rolim
    (PV), na sessão da última terça-feira (11), explicações sobre a educação no
    município e, principalmente, quanto ao caso da escola Divina Providência que
    funciona de forma precária sem banheiro, energia, cadeiras inadequadas, etc,
    merecendo destaque negativo do Fantástico da rede Globo, no último domingo
    (09).
    Na
    tribuna, Othelino citou dados de matéria publicada no blog do jornalista
    Clodoaldo Corrêa para demonstrar que não existe explicação plausível para o que
    acontece com a escola Divina Providência, mostrada em rede nacional pelas
    péssimas condições.  Segundo o deputado, com base em pesquisa realizada, o
    município de Codó, em 2013, recebeu só do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento
    da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) R$ 60.511.992,79 (mais de R$ 60 milhões). 
    Segundo
    Othelino, é preciso fazer uma cobrança ao prefeito de Codó para que ele se
    explique porque os números do Fundeb são públicos e os repasses realizados
    colocam a Prefeitura numa situação difícil para esclarecer o porquê das
    condições daquela escola municipal. “Será que, com esses recursos, não dava
    para colocar aquela escola para funcionar em condições mínimas?”, indagou o
    deputado do PCdoB.
    Condições precárias
    Para
    o deputado, não há como explicar porque  Codó, que é o sétimo maior
    município do Maranhão, que recebeu R$ R$ 60.511.992,79 só do Fundeb, deixou uma escola ficar naquela situação
    com crianças assistindo aula naquelas condições e utilizando o mato como
    banheiro.
    “Para
    se fazer justiça, a crítica não é direcionada ao secretário de Educação, que
    não tem culpa desse descalabro que virou o governo do Estado, mas ao modelo
    politico que empobreceu o Maranhão e que é, sem duvida nenhuma, o culpado pelos
    os indicadores sociais negativos”, disse Othelino Neto.
    De
    acordo ainda com Othelino, a escola poderia ter recebido recursos do Programa
    Dinheiro Direto na Escola (PDDE), que é pequeno, mas que, diante do estado de
    pobreza, teria dado, por exemplo, para colocar o piso ou talvez para comprar as
    carteiras. Ao todo são 36 alunos, mas a escola deixou de receber por não ter
    instalado o Conselho Escolar, que é exigência da legislação. R$ 2.160,00 também
    não chegaram à instituição. 
    “Isso
    não resolveria o problema. Claro que não, mas resolveria uma parte do problema,
    diminuiria o desconforto daquelas crianças, daqueles professores. Então, eu
    resolvi trazer o assunto novamente só para deixar claro que o governo, como eu
    já disse e repito, o grupo político que comando o Maranhão, é responsável e
    culpado pela pobreza do Estado”, disse Othelino.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!