Logo
  • Sarney se emociona ao se despedir do Senado

    O senador José
    Sarney
    (PMDB-AP) se despediu da presidência do Senado nesta
    quinta-feira (1º) dizendo que trabalhou “pela transparência”. Sarney discursou
    da cadeira de presidente antes da eleição do próximo senador que comandará o
    Congresso e o Senado de 2013 a 2015, e chegou a se emocionar.
    “Nossa casa é pioneira em transparência. Desde que
    assumi a presidência do Senado, em 1995, foram inúmeras as providências que
    tomei para aumentar a transparência”, afirmou. Sarney foi alvo, em 2009, do
    chamado “escândalo dos atos secretos”, quando foi noticiado que atos
    administrativos impopulares deixaram de ser publicado.
    Entre os atos classificados como
    “secretos” e que não foram publicados está o que estendeu assistência
    médica e odontológica a cônjuges de ex-parlamentares, assim como nomeações de
    servidores que configuravam nepotismo.
    Emocionado, Sarney agradeceu senadores,
    funcionários e a imprensa. Ele defendeu a liberdade de imprensa, apesar de se
    dizer alvo de “xingamentos”.  “Quando eu sair da presidência quero
    ressaltar o meu agradecimento à imprensa. A liberdade de imprensa nós devemos
    ter a maior compreensão em relação a ela, porque ela faz a democracia. Eu que
    tenho sido alvo tantas vezes de algo que o Obama disse, xingamento. Quanto a
    imprensa a gente pode dizer que até o tempo corrige a prática de sua liberdade
    e seus excessos.”
    No discurso, Sarney afirmou que sua gestão foi
    marcada pela abertura do Senado para que cidadãos pudessem sugerir audiências
    públicas, acessar dados e propor emendas. Ele também citou a criação do “Siga
    Brasil”, sistema de informações disponibilizado no site oficial da Casa sobre a
    execução do orçamento público.
    O peemedebista disse que o Senado é a casa de maior
    “visibilidade” e que se tornou nos últimos anos mais acessível à população.
    “Essa é a casa de maior visibilidade do país, onde todos buscam para
    resolver os problemas institucionais, aqui se pode fazer com que o povo
    brasileiro tenha voz.”
    Sarney afirmou ainda que, como presidente do
    Senado, sempre tentou priorizar as decisões colegiadas e ouvir os líderes
    partidários. “Priorizei decisões colegiadas, com permanente consulta aos líderes
    em momentos mais sensíveis e no plenário”, afirmou.
     
    Sarney se emocionou

    O senador do PMDB se emocionou no discurso ao dizer que exerce mandatos
    legislativos há 58 anos. “Sou senador que por mais tempo serviu ao Senado da
    República. Em termos de mandatos eletivos sou o mais longevo da nossa história
    republicana. Sempre fiz questão de não ficar parado, olhando para o passado,
    pautei minhas gestões por estar olhando para o futuro e a modernidade”, disse.
    Sarney afirmou que a paixão pela política é, para
    ele, maior que a paixão pela vida. “Dediquei toda a minha vida à política, aos
    serviços do meu país. A paixão pela política e o bem comum é maior do que
    paixão pela vida”, disse.
    Ele encerrou o discurso dizendo que renova a crença
    na democracia. “Aqui todos podem concordar e discordar, conciliar”, afirmou.
    Sarney destacou que deixa o Senado “totalmente informatizado”. “Entrego o
    Senado, do tempo das atas escritas em mão, totalmente informatizado.”

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!