Logo
  • Noticias

    Homem é condenado a 13 anos de prisão por crime cometido em Alcântara

    Uma sessão do Tribunal do Júri, realizada na última terça-feira, 15, condenou Juvêncio Araújo, conhecido como Jairzinho, a 13 anos de reclusão, em regime inicialmente fechado, pelo crime de homicídio. A pena deverá ser cumprida no Complexo Penitenciário de Pinheiro.

    O crime ocorreu em 13 de outubro de 2006, no Povoado Castelo. Juvêncio Araújo matou Maria Lúcia Pereira Cruz, mãe de sua companheira, com um golpe de facão. Os desentendimentos tiveram início quando o lavrador Jairzinho ficou enciumado porque sua companheira, Lucivan Pereira Cruz, levou os filhos do casal à sede do Município de Alcântara para tratamento dentário.

    No momento do crime, a vítima e sua filha estavam em frente a casa do condenado, tentando pedir ajuda à mãe dele, que estava descontrolado e armado de um facão.

    Atuou no júri a promotora de justiça Alessandra Darub Alves. A sentença foi proferida pelo juiz Rodrigo Otávio Terças Santos. A Denúncia do Ministério Público foi proposta em 8 novembro de 2011, pela promotora de justiça Bianka Sekeff Sallem Rocha.

    Governador participa de encerramento da Festa do Divino

    A maior manifestação de fé popular realizada em Alcântara, a Festa do Divino Espírito Santo, com mais de 400 anos de existência, terá um de seus pontos altos com a Missa Solene. O governador Flávio Dino estará presente nesse momento que marca o encerramento do festejo, apoiado pelo Governo do Maranhão. A celebração será neste domingo (20), às 9h, na Igreja Nossa Senhora do Carmo.

    A Festa do Divino é realizada há mais de quatro séculos. O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur), tem apoiado o evento. “É uma festa secular, uma das nossas maiores manifestações religiosas, que marca o calendário cultural do Estado, movimenta o turismo e a economia local. O Governo apoia e mais uma vez reforça a importância dessa manifestação”, destaca o titular da Sectur, Diego Galdino. Foram destinados R$ 300 mil em recursos pela gestão estadual.

    Iniciada no dia 9 deste mês, o festejo muda a rotina da calma cidade de Alcântara que se transforma no cenário do turismo religioso maranhense. Pessoas vindas de todo o Brasil e até de outros países, se encantam com a celebração e conhecem ainda as potencialidades produtivas da região, como os tradicionais doces de espécie e as atrações turísticas.

    Além do apoio em recursos para o festejo, o Governo do Estado contemplou a cidade com as ações do projeto Mais Qualificação e Turismo, no mês de abril. A ação consiste em cursos de guia turístico com noções de bom atendimento em bares e restaurantes, manipulação de alimentos e recepção hoteleira a empresários e trabalhadores da região.

    Revitalização

    As casas de cultura da cidade serão reformadas, complementando as ações da gestão para preservação das manifestações culturais e dos prédios históricos. Estão no cronograma de reformas: o Museu Histórico e Artístico de Alcântara e a Casa do Divino de Alcântara, equipamentos culturais que atuam fortemente na preservação e difusão das tradições e memória do povo alcantarense. As obras iniciam em junho.

    Judiciário em Alcântara marca julgamento de Corumbá

    O Poder Judiciário em Alcântara divulgou a data do Tribunal do Júri Popular que julgará José Vicente Matias, conhecido como “Corumbá”, acusado de ter assassinado uma turista espanhola na Praia de Itatinga, localizada naquele município. O juiz Rodrigo Terças, titular da Comarca de Alcântara, marcou para o próximo dia 22, às 8 horas, a sessão de julgamento do acusado, que está preso no Estado de Goiás.

    Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público à época, José Matias teria de forma fria e cruel assassinado a turista espanhola, no dia 18 de março de 2005. De acordo com o documento, eles teriam se conhecido na Pousada Três Irmãos, em São Luís, e após ter conquistado a confiança da estrangeira, viajaram juntos de barco Catamarã para Alcântara.

    Ao chegar na cidade histórica, fizeram fotografias nas ruínas dos prédios antigos, momento em que seguiram para a praia, onde ocorreu o crime. “O acusado confessa ter cometido o crime, com pauladas na cabeça da vítima”, finaliza o MP.

    PAUTA DE JÚRIS – Nesta terça (15), foi realizada mais uma sessão de julgamento do Tribunal do Júri na Comarca de Alcântara. Juvêncio Araújo foi condenado a 13 anos de reclusão a serem cumpridos, inicialmente, em regime fechado no Presídio Regional de Pinheiro, acusado do assassinato da mãe de sua companheira, fato ocorrido no dia 13 de outubro de 2006.

    Relata a denúncia, que após desentendimentos ocasionados por ciúmes, o acusado se armou com um facão e foi até a porta da casa de sua mãe, onde encontrou a companheira e a sogra, momento em que as discussões se intensificaram, culminando em uma luta corporal que resultou na morte da sogra do réu.