Logo
  • Noticias

    Comarca de Cururupu realiza ação de combate à exploração sexual infantil

    Como parte do movimento nacional pelo Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, o Poder Judiciário na comarca de Cururupu realizou, na última sexta-feira (18), evento na cidade chamando atenção para a questão e buscando estimular a denúncia. A ação foi realizada com a parceria da Prefeitura de Cururupu, com caminhada, palestras, orientações e depoimentos para crianças e adolescentes da rede pública municipal de ensino.

    O juiz Douglas Lima da Guia, titular da comarca, chamou atenção para o alto índice de casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes verificado na região da Baixada Maranhense, ressaltando a importância da denúncia aos órgãos públicos responsáveis ou por meio do Disk 100. “Precisamos combater todas as práticas que atentam contra a integridade das crianças e adolescentes, segundo o que dispõe o Estatuto da Criança e do Adolescente”, observou.

    DIA NACIONAL – Na mesma data, outras comarcas também realizaram eventos alusivos ao Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual Infanto-Juvenil. Em Santa Quitéria, o juiz Cristiano Regis Cesar da Silva realizou palestra na Praça JK, tratando sobre o combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. A ação fez parte da Campanha Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual contra esse público, e na comarca teve a parceria do Ministério Público Estadual, Secretaria Municipais de Assistência Social e Educação e Conselho Tutelar.

    Em Chapadinha, a juíza Welinne de Souza Coelho, titular da 2ª Vara, realizou ação socioeducativa na escola Nossa Senhora das Dores, da rede pública municipal, localizada no bairro Boa Vista, em Chapadinha. Durante a palestra, a magistrada expôs vídeos com animações elaboradas para, de forma lúdica, desmistificar o tema que envolve o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. “Foi um momento importante para tratarmos, com professores, pais, alunos e comunidade em geral, dos mitos e verdades sobre a violência sexual contra as crianças, como forma de estimular o combate a esse tipo de violência”, frisou a juíza.

    Já em Açailândia, a 2ª Vara da Família realizou na “adesivaço e panfletagem” na Avenida Dorgival, levando informações à sociedade sobre como combater o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. A Ação foi coordenada pela juíza Clécia Pereira Monteiro, titular da 2ª Vara da Família da Comarca de Açailândia.Durante o ato, os comissários de Justiça alertaram os comerciantes da área sobre a proibição de venda ou qualquer outro modo de fornecimento de bebida alcoólica a criança e adolescentes, e frisaram as alterações trazidas pela Lei 13.106/15, que transformou a prática em crime, punido com detenção de 2 a 4 anos.

    Prefeitura de Porto Rico do MA realiza caminhada contra Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

    A prefeitura de Porto Rico por meio da secretaria municipal de assistência social em parceria com a secretaria de educação promoveu na manhã desta sexta-feira (18) uma caminhada pelas ruas da cidade em protesto contra o abuso de crianças e adolescentes. A ação faz parte da Campanha Faça Bonito 18 de Maio.

    Com o objetivo de mobilizar a sociedade brasileira e convocá-la para o engajamento contra a violação dos direitos sexuais de crianças e adolescentes, 18 de maio foi estabelecido como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

    “Esse evento ressalta a importância da população abrir sua mente contra a exploração sexual de crianças e adolescente. Nossas crianças merecem todo o respeito, pois o futuro do município e do país vem delas. Elas merecem nossa total atenção”. Declarou a prefeita Tatyana  Mendes (PCdoB).

    O evento em Porto Rico fez parte das estratégias do município em publicizar esse crime que tem causado danos às crianças de todo o país e encorajar a denuncia pela população.

    Por meio do 100, o usuário pode denunciar violências contra crianças e adolescentes, colher informações acerca do paradeiro de crianças e adolescentes desaparecidos, tráfico de pessoas – independentemente da idade da vítima – e obter informações sobre os Conselhos Tutelares.

    (ASCOM).