Logo
  • Aprovado fim do 14º e 15º salário dos deputados no Maranhão

    Mesa diretora da AL anuncia aprovação
    Assembleia Legislativa do Maranhão (AL-MA) aprovou
    por unamidade a extinção do 14º e 15º salário na manhã desta terça-feira (19),
    em São Luís. A votação foi realizada em sessão
    extraordinário após requerimento de urgência feito na segunda (18) pelo
    deputado e vice-presidente da casa Max Barros (PMDB).
    A decisão acontece praticamente um mês após o
    Congresso Nacional aprovar medida equivalente para deputados federais e
    senadores. De 2006 a 2012, os 42 deputados estaduais do Maranhão
    receberam o equivalente a 18 salários por ano. No final destes anos, cada
    parlamentar estadual recebeu R$ 360 mil.
    Em abril do ano passado, a redução de 18 para 15
    salários foi aprovada pela assembleia, em sessão extraordinária realizada três
    dias após o Fantástico exibir reportagem sobre os gastos exorbitantes dos
    Legislativos do país. A partir da aprovação, os deputados não vão mais receber,
    em fevereiro e dezembro de cada ano, a ajuda de custo de R$ 50.105,00 a que
    tinham direito.
    Votação

    A sessão desta terça-feira (19) foi conturbada e quase atrapalhou a votação da
    proposta de extinção dos salários.
    Por volta de 11h, alguns deputados deixaram o
    plenário em protesto, depois que o presidente da Mesa Diretora Arnaldo Melo
    (PMDB) voltou atrás e pediu nova votação para o requerimento do deputado Bira
    do Pindaré (PT-MA). O documento pede explicações ao diretor do Colégio Cintra,
    um dos maiores de São Luís, sobre o funcionamento anormal da instituição.
    Com isso, a sessão foi suspensa por cinco minutos e
    chegou a se cogitar o adiamento da votação. Com o retorno dos deputados ao
    plenário, o requerimento de apreciação do projeto de extinção dos salário em
    caráter de urgência feito por Max Barros foi aprovado por unanimidade, levando
    a votação para sessão extraordinária.
    Marcos Caldas (PRB) chegou a criticar a
    “pressa” pela aprovação. “Eu não vejo motivo para tanta pressa.
    O salário não é só no fim do ano?”, questionou. O deputado Eduardo Braide
    (PSD) chegou a pedir votação nominal, mas desistiu.
    Após outras deliberações da pauta, a votação pela
    extinção dos salários foi aprovada por unanimidade. Feito isto, o presidente
    Arnaldo Melo encerrou as votações.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!