Logo
  • Arranjos produtivos: a Baixada tem jeito

    Por Flávio Braga.
    No ano em curso, o Fórum em Defesa da
    Baixada Maranhense conheceu duas experiências de arranjos produtivos locais
    (nos município de Matinha e Anajatuba) que serviram, sobretudo, para comprovar
    que a superação da extrema pobreza na região da Baixada pode ser alcançada com
    medidas de exequibilidade singela e grande alcande social.
    Com efeito, há uma
    circunstância particular que diferencia nitidamente a Baixada das outras áreas
    pobres do Maranhão: embora o seu povo seja muito carente, as soluções para
    melhorar as suas condições de vida são baratas, simples e de fácil
    resolutividade. Só depende da vontade política de nossos governantes. Apesar da
    sua abundante disponibilidade hídrica, a escassez de água no período crítico do
    verão maranhense ainda é o principal flagelo das comunidades baixadeiras. A retenção da água doce nos campos da Baixada representa a
    maior riqueza para as atividades produtivas das comunidades baixadeiras
    No caso específico de Matinha
    (povoado Itans), o Fórum conheceu o extraordinário caso de
    empreendedorismo na cadeia produtiva de piscicultura, cujo projeto se tornou
    referência no setor e hoje se constitui uma das matrizes econômicas
    fundamentais para o desenvolvimento sustentável da Baixada. É um dos nossos
    grandes exemplos de que é possível produzir explorando as potencialidades
    naturais da região, a partir da capacitação dos produtores e  foco na geração de trabalho e renda.

    Essa experiência empreendedora assumiu uma importância tão grande que no dia 8
    de agosto (próximo sábado) o governador do Estado comparecerá a Itans para
    assinar a Ordem de Serviço para a construção da Estrada do Peixe, interligando
    a sede do município ao povoado.
    De sua vez, os arranjos
    produtivos de Anajatuba, desenvolvidos por intermédio da atuação do Dr. Eduardo
    Castelo Branco, zootecnista e membro do Fórum da Baixada, são experiências de
    sucesso comprovado na emancipação econômica das comunidades beneficiadas, com
    forte impacto na superação da extrema pobreza rural (projetos do
    Igarapé do Troitá, da produção de mel no povoado Teso Bom Prazer e da
    piscicultura nativa consorciada com fruticultura no povoado Pacas).
    O Igarapé de Troitá mede 8km de
    comprimento, 10m de largura e 2m de profundidade, e foi dragado para garantir a
    retenção da água doce durante todo o ano, proporcionado a permanência e
    reprodução dos peixes nativos durante o verão e outras pequenas criações (bois,
    porcos, patos etc).
    A produção de mel de abelha no Teso Bom
    Prazer garante o sustento das famílias da localidade mediante a exportação dos
    vários produtos apícolas (mel, própolis, cera etc), evidenciando o imenso
    potencial da Baixada para a exploração da apicultura como atividade econômica.
    No povoado Pacas, foi desenvolvido um
    projeto consorciado de piscicultura nativa e fruticultura (banana, açaí e
    maracujá), a um custo de 200 mil reais, que garante o sustento de 42 famílias,
    numa área de apenas 3 hectares. Nesse arranjo produtivo são produzidas 4500
    bananas por mês e 15 toneladas de peixes por ano, sem qualquer ônus para os
    beneficiários do projeto.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!