Logo
  • Associação de Policiais Militares de Timon lança nota de apoio ao deputado Cabo Campos.

    Diante
    dos últimos acontecimentos a Associação de Policiais Militares de
    Timon lança uma nota esclarecendo as últimas reivindicações da
    categoria e reconhecendo a legitimidade de liderança do Deputado Cabo Campos a
    frente da categoria militar. 
    O MANDATO É DO POVO.
    ” Todo o poder emana do
    povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos
    termos de nossa constituição
    “.
    O parágrafo único do artigo 1º da
    nossa Carta Constitucional é didático, cristalino e deixa claro que o político
    com mandato nada mais faz, ou deveria fazer, que trabalhar todos os dias para
    realizar o interesse do povo, do coletivo que o elegeu. Digo isso porque pude
    observar nas redes sociais, algumas manifestações contrárias ao fato de
    associações de praças PMs e BMs terem “convocado “um deputado estadual,
    Cabo Campos, para esclarecer porquês de sua atuação no parlamento maranhense.
    Houve mesmo quem dissesse não caber a essas categorias cobrar contas de um
    parlamentar.

    Santa ignorância, Batman! Ora meus
    amigos, quando é que nosso povo compreenderá que aquele que desempenha um
    mandato popular o faz, apenas por vontade do povo? Um mandato não é propriedade
    do político para que ele faça o que bem quiser.

    Pertence a mim e a você, ao seu
    Joaquim da padaria da esquina, às associações de bairros, aos grupos de jovens
    das igrejas, ao povo! Precisamos entender que parlamentares são meros
    representantes dos nossos interesses. Precisamos fazê-los entender, e nunca
    mais esquecer, que estão a nosso serviço e que não podem se comportar como se
    fossem superiores, melhores ou mais importantes que nós. Isso é uma mentira que
    nos ensinaram! Trabalham para nós, somos o patrão! Desde cedo deveriam nos
    ensinar essa lição. Mas não fazem o oposto, nos fazem acreditar que somos
    servos inferiores e que o parlamentar, ou chefe do executivo, está acima de
    nós, é mais digno e melhor que nós.

    Pois bem, eles estão lá porque o
    pusemos para concretizarem nossos melhores interesses, nossos sonhos. Não podem
    e não devem se afastar dessa missão. É inaceitável que se comportem doutra
    maneira que não seja buscando realizar o anseio do povo. Caso se afastem, e me
    parece que essa é a regra, devemos lembrá-los de quem tem o poder, numa
    perspectiva constitucional.

    O cidadão não pode se sentir
    intimidado quando estive diante de figuras públicas detentoras de mandatos e
    tiver que cobrá-los de suas obrigações. O cidadão tem todo o direito de exigir
    que ele cumpra o seu múnus, seu dever de bem representar o
    povo. E não interessa que eu não tenha votado nele! O compromisso é o mesmo…

    O político, por sua vez, deve encarar
    tal posição, por parte do cidadão, como coisa natural, típica da república, da
    democracia e da cidadania. Não pode querer se sentir ofendido, constrangido ou
    afrontado quando cobrado pelo homem comum. Ele é um servidor do povo e, como tal,
    deve se submeter ser republicano e cidadão.

    Quanto ao “convocamento” do
    Deputado Estadual Cabo Campos, penso que ele deve encarar isso como uma
    oportunidade para expor suas ideias, projetos e suas dificuldades diante de um
    governo centralizador e que, do meu ponto de vista, não lhe dá ouvidos. Eu mesmo,
    sei que ele não tem tido vida fácil no Governo Flávio Dino. Nenhum dos projetos
    que apresentou ao governo foi à votação. É deputado da base do governo mas, tratado
    como se fosse da oposição, sem o devido respeito da parte do executivo que,
    sequer, o chama a sentar à mesa para tratar dos temas da segurança pública estadual.
    No entanto, há quem o diga “traidor” das praças PM, outros, que se
    lambuzou com o excesso de mel, não fala mais em defesa da categoria e não
    legisla em seu favor. Uma avaliação exagerada e injusta, certamente.

    A convocação das associações para que
    ele fale de sua atuação no parlamento deve ser vista por ele como uma
    oportunidade. Sim, uma oportunidade para que ele possa esclarecer o porquê de
    não conseguir aprovar indicativos ou projetos para os trabalhadores PM’s, uma
    excelente ocasião para que ele deixe claro que se não consegue avançar é porque
    não o permitem, se for esse o caso.

    A parte boa, é que há tempo para ele
    redefinir estratégias, se for o caso, fortalecer a defesa dos trabalhadores e
    falar o que precisa ser falado, contra o governo se for preciso, em defesa do
    povo do maranhão e dos que o elegeram, ou não.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!