Logo
  • Corregedor e juízes de Pinheiro visitaram a Fazenda do Amor Misericordioso

    Durante inspeção à
    Comarca de Pinheiro, o corregedor-geral da Justiça do Maranhão, Des. Cleones
    Carvalho Cunha teve a oportunidade de conhecer a Fazenda do Amor
    Misericordioso, um centro de recuperação para dependentes químicos criado pela
    Diocese de Pinheiro. Lá, 60 internos, voluntariamente, passam por tratamento
    gratuito, que dura nove meses.
    “Fiquei bastante
    entusiasmado com o trabalho realizado pela Diocese de Pinheiro neste centro de
    tratamento. São 60 pessoas que buscaram ajuda voluntariamente e isso é muito
    significativo. Por isso o alto índice de recuperação. Só fica no centro quem
    quiser, não está lá obrigado”, destacou o corregedor Cleones Cunha.
    O desembargador
    parabenizou o trabalho coordenado pelo padre João Luiz Mancini, que o
    acompanhou durante a visita às instalações da Fazenda do Amor Misericordioso.
    Segundo ele, é desenvolvido no local um programa que envolve “profunda
    espiritualidade à luz da Palavra de Deus, laborterapia rural, assistência
    psicológica, atividades educacionais, culturais e esportivas”. São realizados,
    também, atendimentos médico e odontológico.
    Também
    participaram da visita os juízes Anderson Sobral, Júlio Prazeres e Lavínia
    Macedo, titulares, respectivamente, da 1ª e 2ª Varas e Juizado Especial Cível e
    Criminal.
    De acordo com o
    padre Mancini, a Fazenda do Amor Misericordioso foi criada em 2005, com a ajuda
    da comunidade e de amigos italianos e alemães, o que possibilitou a aquisição
    do terreno, de 17 hectares, e construção do espaço físico. Atualmente, o centro
    de recuperação é mantido com a ajuda de famílias de internos que têm condições
    de ajudar e benfeitores de Pinheiro e de outras cidades.
    O trabalho da
    Diocese de Pinheiro, por meio da Pastoral da Sobriedade, também é feito com
    foco na prevenção. São realizadas palestras e visitas à fazenda com a
    apresentação de testemunhos dos internos.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!