Logo
  • Denúncia de investigação contra Othelino é mentirosa

    Postagens recentes dando
    conta de investigação ou indiciamento contra o deputado estadual Othelino Neto
    (PCdoB) não passam de uma grande mentira, plantada pelos que veem na prática do
    achaque uma forma de sobrevivência.  O
    inquérito foi trancado ou tornado nulo, desde 2010, pela Terceira Vara Criminal
    da Comarca de São Luís, portanto o parlamentar não responde ao tal processo e,
    nem muito menos, foi indiciado.
    “A
    conduta perpetrada ao paciente no Inquérito não possui o condão de fundamentar
    o seu indiciamento, eis que não há qualquer indício de autoria ou materialidade
    que mantenha nexo com os atos do paciente, o qual, diferentemente do disposto
    no relatório final do Inquérito Policial, tratou de buscar eventuais
    responsáveis pelas fraudes existentes, bem como puni-los. Assim, a conduta do
    paciente não se adequa a qualquer tipo penal, tampouco restou individualizada.
    O que desemboca na ausência de justa causa”, considerou a Justiça ao trancar ou
    anular o inquérito em 2010, ou seja, há cinco anos.

    O deputado explicou que
    esse inquérito foi aberto por ele mesmo para investigar um funcionário suspeito
    na Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema), porém, o governo Roseana
    Sarney quis dar outro foco, tentando atingi-lo negativamente. No entanto, a
    Justiça reconheceu que nada havia contra o parlamentar e trancou (tornou nulo)
    o processo.
    A publicação foi,
    maldosamente e criminosamente, requentada, nesta semana, por blogs que vivem da
    prática do achaque com as mesmas informações mentirosas.
    Othelino e seus advogados
    já tomaram as medidas judiciais cabíveis contra os blogueiros Antonio Martins,
    originário do texto requentado, William Redondo (blog de republicação de
    Pinheiro) e Wallace Braga (Maranhão de Verdade). Eles responderão a processos
    por calúnia e difamação e também por danos morais.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!