Logo
  • Despedida de Sarney

    Fim
    da reeleição, implantação do parlamentarismo, penas mais duras para crimes
    contra a vida e limites para doações eleitorais. Apesar de estar deixando a
    política, o senador José Sarney (PMDB-AP) não se furtou de opinar sobre vários
    assuntos, ao fazer seu último discurso no Plenário do Senado, nesta
    quinta-feira (18). Sarney lembrou realizações de seus mandatos, fez várias
    sugestões para a vida política e social do país e recebeu homenagens de colegas
    senadores.
    Para
    Sarney, é preciso criar cláusulas de barreira para os partidos. Segundo o
    senador, é importante evitar a proliferação de legendas que “só servem para
    negociações”. Ele afirmou que 80% dos partidos são dirigidos por comissões
    provisórias – que não representariam nem o partido nem a sociedade. Acrescentou
    que os partidos precisam valorizar a democracia, realizando eleições internas.
    Sarney
    defendeu o voto distrital misto e o fim da reeleição, com mandatos de cinco ou
    seis anos para o Executivo. Ele pediu o fim das medidas provisórias e uma
    solução definitiva para o financiamento de campanha – com um valor limite de referência
    para as doações.
    Apesar
    de ter voltado à política após deixar a presidência da República, Sarney disse
    acreditar que os presidentes deveriam ser proibidos de exercer qualquer cargo
    público, mesmo que eletivos, após finalizarem o mandato. Ele registrou que se
    arrependeu de ter voltado à vida pública e disse que um ex-presidente deve
    ficar acima dos conflitos e se dedicar a unificar o país.
    Sarney
    também pediu a implantação do parlamentarismo no país, como “um dispositivo
    contra as crises” e defendeu penas mais graves para crimes contra a vida.

    A vida é o bem maior que Deus nos deu e o homicídio ainda não é crime hediondo
    — criticou, pedindo também mais investimentos no combate às drogas.
    Para
    o senador, a educação precisa passar por uma reformulação dos currículos, com
    incentivo à formação e capacitação de professores e mais investimentos em
    tecnologia e inovação. Sarney também prometeu reapresentar um projeto de
    Estatuto das Estatais, como forma de proteger o patrimônio público contra
    escândalos como os que estão ocorrendo com a Petrobras.
    Sarney
    ainda defendeu um projeto de sua autoria, que está parado na Câmara e
    regulamenta o artigo 245 da Constituição, que cria o fundo nacional de
    assistência às vítimas (PL 3.503/2004). Ele lembrou que existe o auxílio-reclusão,
    mas os que são vítimas “não têm direito a nada” e alguns “têm direito só à
    eternidade”. Ele admitiu que ainda “tem apreensões” e criticou o ódio que vem
    se apresentando na sociedade, após as últimas eleições.

    É hora de conciliar o país. Tenho visto algumas manifestações exacerbadas aqui
    no Congresso. A política é democrática. Passadas as eleições, o país deve
    buscar um terreno comum, o bem público — declarou o senador, dizendo que o
    Brasil precisa de mais sonhos e utopias.

    Trajetória
    Aos
    84 anos, Sarney deixa a política depois de três mandatos de senador pelo Amapá.
    No discurso, ele relembrou sua trajetória de homem público, desde quando era
    deputado federal, na década de 1950, até chegar aos vários mandatos no Senado,
    passando pelo governo do Maranhão e pela Presidência da República.
    Sarney
    lembrou que tem 60 anos de vida pública – o que o torna o parlamentar mais
    longevo da história do país. Ele agradeceu a confiança do povo do Amapá e do
    Maranhão, o que lhe permitiu vários mandatos, e a todos os demais brasileiros,
    pela oportunidade de presidir o país. Segundo Sarney, o Maranhão é o 16º estado
    do país em produto interno bruto (PIB), com crescimento econômico anual de
    10,3%, índice comparável ao da China. Esses números, registrou o senador, são
    bem diferentes dos que encontrou em 1966, quando assumiu o governo do estado.

    no Amapá, iniciativas de Sarney levaram um hospital da Rede Sarah e uma
    universidade federal ao estado, que também conta com uma zona de livre comércio
    consolidada, duas hidrelétricas em construção e uma em funcionamento, além do
    Linhão de Tucuruí, empreendimento que também vai levar a fibra ótica ao estado.
    Segundo o senador, esses fatos mostram que a situação atual é muito melhor do
    que a encontrada há alguns anos.
    Como
    presidente da República, Sarney lembrou que foi o autor do projeto que
    assegurou às pessoas com aids o recebimento gratuito de medicamentos e da
    proposta de cotas para negros. O senador destacou iniciativas no setor
    cultural, como a Lei de Incentivo à Cultura, que já é uma realidade, e a
    Política Nacional do Livro, que está em análise na Câmara dos Deputados. Ele
    apontou a cultura como sua principal causa legislativa e disse que passava
    “essa bandeira” à senadora Marta Suplicy (PT-SP), que foi ministra da Cultura.
    Sarney reconheceu as dificuldades da vida pública, mas disse que fez muitos
    amigos na política.

    Deus me poupou do ódio, da inveja e do sentimento de vingança — afirmou.
    Futuro
    Sarney
    afirmou não temer pelo futuro político da família e lamentou a falta de grandes
    lideranças nacionais. Ele disse que não “tem mais futuro e só tem passado”.
    Prometeu reler seus livros e disse que, na sua idade, o gosto da releitura se
    torna melhor do que o da leitura inicial. Sarney ainda admitiu que, “infelizmente”,
    a política o levou para caminhos distantes da literatura.

    Deixo no Senado uma palavra: gratidão. Saio feliz, sem nenhum ressentimento.
    Ai, meu Senado, tenho saudades do futuro — concluiu.
    Foto:
    Waldemir Barreto/Agência Senado

    Do Zeca Soares

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!