Logo
  • Marcelo Tavares e Eliziane Gama repudiam crimes de pistolagem no Maranhão

    Os deputados Marcelo Tavares (PSB) e Eliziane Gama (PPS),
    na sessão desta segunda-feira (9), fizeram um apelo à Secretaria de Segurança
    Pública para que priorize para as ações de combate à violência, principalmente,
    no interior do Estado, onde os crimes de pistolagem voltaram a acontecer de uma
    forma acentuada.
    Eles citaram os atentados ocorridos
    semana passada na cidade de Viana contra o filho do prefeito Chico Gomes e ao
    secretário de Educação, Carrinho. Também ocorreram atentados em Santa Helena e
    em Peritoró.
    “Nos causa bastante preocupação
    porque não era uma prática da política na Baixada Maranhense essas questões
    envolvendo ameaças de morte, de eventos ligados a pistolagem. É preciso que a
    Secretaria de Segurança reaja de forma imediata para que esse tipo de conduta
    seja reprimida com força pelo sistema de segurança. É um apelo que fazemos pois
    nós não estamos mais no tempo de se resolver querelas políticas à bala, isso é
    inaceitável”, afirmou Marcelo Tavares.
    Eliziane Gama afirmou que não se
    pode admitir que a pistolagem volte a reinar no Maranhão. “A situação é muito
    grave: o crime de pistolagem no Maranhão está mais vivo do que se imagina. Só
    uma ação enérgica, corajosa e forte da Secretaria de Segurança Pública do
    Estado para combater essa atrocidade que são dos crimes de encomenda”,
    enfatizou a parlamentar.
    Ao ressaltar que o Maranhão é um
    Estado que tem se destacado nos debates nacionais pela situação de violência,
    fez um apelo ao governo estadual para que dê prioridade para as ações de
    combate à violência. Além disso, ela pediu ao deputado Bira do Pindaré (PT) –
    que preside a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa – que
    acompanhe esses crimes de pistolagem no Maranhão. “Acho que a Assembleia
    Legislativa do Maranhão precisa dar a sua contribuição em fazer com que essa
    situação possa ser coibida em nosso Estado”.
    PRESÍDIO
    Marcelo Tavares também destacou a
    insatisfação dos moradores do município de Magalhães de Almeida em relação à
    construção de um presídio naquela cidade. Ele disse que não houve nenhum tipo
    de diálogo entre a Secretaria de Administração Penitenciária e a comunidade.
    “Sei que precisamos ter presídios
    espalhados pelo Estado, isso é fato, faz parte do sistema de segurança do
    Estado, mas a escolha desses locais tem que ser feito de uma forma mais clara e
    com ampla discussão com a comunidade daquele município escolhido”, disse
    Marcelo Tavares, frisando ainda que os moradores de  Riachão também estão
    enfrentando esse mesmo tipo de problema.
    Assessoria da AL.

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!