Logo
  • Morre Dudu após dois meses de luta contra rara síndrome cardíaca

    Criança estava
    internada no Hospital Beneficência Portuguesa, em SP.
    Dudu sofria da doença congênita “Hipoplasia do coração esquerdo”.

    Morreu nesta segunda-feira (13), na
    Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Beneficência Portuguesa, em São
    Paulo (SP), Luis Eduardo Carvalho Souza Filho, de quase três meses, tendo
    ficado internado por dois meses na casa de saúde. A morte da criança foi
    decorrente de duas paradas cardíacas.



    Dudu, como era carinhosamente chamado pela família, sofria de uma doença
    congênita chamada de Hipoplasia do coração esquerdo. Os portadores dela já
    nascem apenas com a metade do coração, no caso sem o lado esquerdo. A doença,
    que atinge uma a cada cinco mil crianças, só foi descoberta quando o garoto
    nasceu, segundo informou ao G1,
    Renaura Mota, tia da criança.
    O garoto estava internado desde o fim de
    abril no hospital da capital paulista e a família chegou a entrar com ação na
    Justiça para que o governo do Maranhão viabilizasse o tratamento. 
    Rutterran Martins, tio do garoto, agradeceu as orações pela vida do sobrinho em
    uma conta de rede social.



    “Dudu sei que você está nos braços de Deus, obrigado a todos que oraram por
    este anjo, obrigados a todos que nos deram forças durante esses meses de luta,
    tudo que podia ser feito foi feito. Deus quis ele ao seu lado. Obrigado meu
    Deus pela oportunidade de lutar pela vida, Dudu cumpriu sua jornada na terra”,
    escreveu Rutterran Martins.
    Complicações e falecimento

    Na tarde de domingo (12), a criança teve algumas
    complicações no quadro clinico e pirou ocasionado por uma infecção oportunista.
    O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa do Hospital Beneficência
    Portuguesa, em São Paulo (SP), mas até agora não houve resposta.



    “Ele estava com a doença no coração, estava se
    recuperando, mas pegou uma bactéria na UTI, muito resistente. Essas duas
    semanas foram muito difíceis. Ele teve duas paradas cardíacas ontem (domingo) e
    os médicos já pediram para a família se preparar para o pior. Hoje amanheceu
    muito inchado e infelizmente não resistiu”, afirmou Rutterran ao G1.



    No próximo dia 22, Dudu completaria três meses de
    vida.



    Luta na Justiça


    Com apenas um mês de vida, o pequeno “Dudu” foi
    diagnosticado com má-formação cardíaca e por não existir tratamento no Maranhão
    teve a necessidade de ser internado em um ala particular do hospital em São
    Paulo para ser tratado. Com a família não possuía condições de arcar com o
    tratamento, os pais ajuizaram ação na Justiça pedindo que o Estado pagasse o
    tratamento.



    O governo do Maranhão recorreu à Justiça para
    tirar a criança do hospital particular e transferi-la para a rede pública. Nem
    mesmo o parecer do médico sobre o risco de morte da criança impediu que o
    governo recorresse da decisão.



    Na época, o tratamento da criança foi considerado
    pelo governo maranhense como uma “conta” que ultrapassava os R$ 2 milhões,
    sendo considerado inviável.



    O advogado da família, que também é tio da criança,
    dedicou as últimas semanas exclusivamente para tentar manter o atendimento em
    São Paulo. A Justiça foi favorável a manutenção do tratamento do jovem Dudu em
    São Paulo.
    Do G1 MA. 

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!