Logo
  • Secretário de saúde de Pinheiro e presidente do Cosems-MA, Fred Lobato, concede entrevista ao Jornal O Imparcial

    A luta pelos direitos dos usuários do SUS e a defesa dos gestores de saúde está entre as metas do novo presidente do Cosems-MA, que é secretário de saúde de Pinheiro.

    Secretário de Saúde do município de Pinheiro, Fred Lobato, foi eleito para presidir o Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Maranhão, Cosems-MA, para o biênio 2021-2023. Lobato concorreu em chapa “Unido pelo SUS” composta por 55 gestores municipais de Saúde.

    Ex-secretário de Saúde de Buriti e Santa Helena, pós graduação em gestão de saúde, o médico Fred Lobato assumiu a presidência do Cosems prometendo dar continuidade ao trabalho que vinha sendo desenvolvido pelo ex-presidente Vinícius Araújo no diálogo tripartite e dar mais qualidade ao SUS no Maranhão. A luta pelos direitos dos usuários do SUS e a defesa dos gestores de saúde está entre suas metas na gestão da entidade.

    Em entrevista, o presidente do Cosems falou sobre o papel da entidade na campanha de vacinação no estado e faz projeção da saúde na pós pandemia. Confira:

    O senhor foi eleito para presidir o Conselho (Cosems) em um momento grave da saúde no país, em que a pandemia da covid-19 já ceifou mais de meio milhão de brasileiros. Esse cenário redefine a entidade como núcleo estratégico da saúde no estado?

    Fred Lobato – Ao longo de 1 ano e 4 meses de pandemia, em que até o presente momento já perdemos 534 mil vidas, o COSEMS tem sido fundamental para articular as ações de saúde no

    Estado, pois o mesmo congrega as Secretarias Municipais de Saúde por meio dos gestores municipais e representa os municípios nas instâncias do Sistema Único de Saúde – SUS, de modo a atuarem em prol do desenvolvimento da Saúde Pública, promovendo ações que fortaleçam a descentralização política, administrativa e financeira do Sistema.

    De que maneira o Cosems está acompanhando a campanha de vacinação contra a covid-19 nos municípios maranhenses?

    Todas as ações de Saúde no Estado no que se refere aos municípios passam pelo Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Maranhão – COSEMS. Com a Campanha de Imunização contra a COVID19 não é diferente, pois a vacinação é de responsabilidade dos municípios, e por sermos um Conselho de Secretários Municipais temos um link direto com os gestores atendendo suas demandas e articulando com os outros setores, principalmente com a Secretaria de Estado da Saúde e a FAMEM que tem sido nossos parceiros em todas as ações.

    Vacinação contra a covid-19 como prioridade

    O Cosems tem participado do debate sobre grupos prioritários na vacinação com as autoridades do estado, como integrante da Comissão Intergestora Bipartite?

    Sim, pois os grupos prioritários estão definidos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, contudo, o Ministério da Saúde dá autonomia aos estados para antecipar alguns grupos, desde que haja pactuação em CIB. Sendo que a mesma é composta por representantes do Estado por meio da SES e por municípios representados pelo COSEMS, logo, não há nenhuma liberação sem a participação desses membros. Podemos citar como exemplo a antecipação da vacinação de alguns grupos prioritários: Profissionais da Educação, Profissionais das Forças Armadas, Profissionais da Imprensa entre outros. Todos tiveram Resolução CIB, que é assinado pelo COSEMS e SES.

    Com a pandemia houve congelamento das cirurgias eletivas, represando ainda mais a grande demanda no interior do estado deste tipo de atendimento. Existem tratativas para retomada destes atendimentos?

    No corrente ano as cirurgias eletivas não deixaram de ser feitas, houve apenas uma redução nos procedimentos, considerando a necessidade que os municípios tiveram de disponibilizar leitos para pacientes da COVID-19. Podemos citar como exemplo a portaria n º 665 de 1º de junho de 2021 que libera recursos para realização de Cirurgias Eletivas nos municípios do Maranhão contemplados na portaria 3.641 de 11 de dezembro de 2020. À medida que os casos forem diminuindo, aumenta a quantidade de leitos e consequentemente de procedimentos.

    O governo contratou técnicos para alimentar o relatório nacional de vacinação do SUS que segundo os prefeitos apresenta defasagens, isso demonstra necessidade de qualificação do quadro?

    O Governo do Estado tem sido um parceiro fundamental no combate a pandemia da COVID-19. Quanto à necessidade de qualificação do quadro que alimenta o sistema, acreditamos que o mesmo é de grande competência, contudo, compreendemos que todo sistema tem suas falhas e as adequações vêm acontecendo à medida que informamos as fragilidades.

    Como o senhor enxerga as políticas públicas de saúde póspandemia?

    Será o momento de maior desafio para todo o país, pois teremos que lidar com uma economia fragilizada, o que afeta diretamente a saúde pública e consequentemente os seus usuários, pois não sabemos como os mesmos ficarão afetados também psicologicamente por suas perdas o que afeta saúde, educação, etc…

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!