Logo
  • STF determina quebra de sigilo bancário da mulher de Warldir Maranhão por envolvimento em fraudes em prefeituras.

    vv-1O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou, nesta terça-feira (20), a quebra do sigilo bancário de Elizabeth Azevedo Cardoso, mulher do vice-presidente da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA).

    A decisão, da Primeira Turma do STF, atende a um recurso interposto pelo Ministério Público Federal (MPF). Waldir Maranhã, é o deputado trazido para cidade de Pinheiro pelo candidato a prefeito, Luciano Genésio, do mesmo partido o (PP).

    O inquérito apura indícios de recebimento de vantagens indevidas, por suposta atuação em prefeituras envolvidas em investimentos fraudulentos em fundos de previdência de servidores públicos municipais.

    A cidade de Pinheiro também corre esse risco, já que o deputado é entusiastas da candidatura do filho de Zé Genésio. Existem fortes indícios que Waldir é o maior financiador da campanha do filho de Zé Genésio em Pinheiro, sonhando com eleição de Luciano para depois cobrar a fatura.

    A maioria da Turma acompanhou o voto divergente do ministro Edson Fachin pelo provimento do recurso. Ele considerou que a viabilidade das investigações está relacionada à existência ou não de vantagem indevida por meio de depósito na conta da mulher do parlamentar. “Entendo que, em homenagem à investigação que se faz e ao fato de que pode resultar infrutífera a investigação se não houver esse procedimento também em relação à esposa do investigado, eu acolho o agravo”, ressaltou o ministro.

    Na sessão de ontem,20, ficou vencido o relator. Ao votar desprovimento do agravo, o ministro Marco Aurélio ressaltou que a mulher do parlamentar não está sendo investigada e também observou que no pedido de quebra do sigilo bancário dela o Ministério Público não apresentou qualquer justificativa específica.

    Ele avaliou ainda que a investigação está voltada unicamente à apuração de conduta criminosa imputada ao deputado federal. “O vínculo matrimonial por si só não enseja a medida: solidariedade para responder perante a justiça criminal”, destacou ao lembrar que a mulher do parlamentar não foi mencionada nas declarações do colaborador.

    Em tempo: mais cedo surgiu a informação de que, enquanto o deputado Beto Mansur (PRB-SP) presidia a sessão na noite de segunda (19), Waldir estava reunido com líderes para acertar a apresentação do substitutivo que anistiaria o crime de caixa dois.

    Com informações do Gilberto Leda

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!