Logo
  • Zé Doca: Farra das Portarias – Parte II

    Uma auditoria realizada pela Prefeitura de Zé Doca, no início da gestão da prefeita eleita em 2016, Josinha Cunha (PR), desmontou um forte esquema fraudulento promovido pelo ex-prefeito Alberto Carvalho Gomes, secretários e um grupo de servidores públicos que gerou um prejuízo aos cofres públicos de mais de R$ 25 milhões.

    O maior escândalo politico já revelado na cidade beneficiava um pequeno grupo de servidores ligados à antiga gestão e que até então’mamavam nas tetas’ do governo municipal.

    Ocorre que parte das fraudes já foram expostas. (Reveja) Mas outras irregularidades ainda precisam vir à mostra para que toda população zedoquense tenha noção do quanto o erário foi assaltado ao longo dos últimos anos de uma forma bem arquitetada.

    Com farras descaradas em portarias, estabilidades e benefícios irregulares dos quinquênios, servidores acumulavam até dois salários em funções diferentes e alguns nem sequer moravam em Zé Doca, tudo pago com verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB)

    A ‘servidora fantasma’ Dagmar Maria de Jesus Silva, ex-mulher do vereador Alcobaça, por exemplo, estava residindo em Brasília e ainda assim recebia dos cofres públicos do Fundeb quase R$ 7 mil de salário, sem estar em uma sala de aula.
    (veja abaixo)

    Ficha financeira da prefeitura comprova a fraude

    Outro caso é dos sobrinhos do ex-candidato a prefeito Zé Costa, Francisco Monteiro de Lima Júnior e Wagno Costa Lima, que eram cedidos para a prefeitura de Alcântara mas recebendo salários da Prefeitura de Zé Doca. Confira!

    Francisco e Wagno eram lotados em outra cidade

    Farra dos Triênios

    Assim como os benefícios dos quinquênios eram pagos irregularmente a alguns servidores públicos, os triênios também alcançaram alguns vencimentos de envolvidos na fraude. Alguns dos que recebia-os era Marluce de Jesus Ferraz Marinho, Rosimar Costa Marinho e Antônio Ibermon Portela Júnior, todos também agraciados com quinquênios indevidos. Confira abaixo na ficha financeira da prefeitura apresentada pelos auditores os nomes dos beneficiados.

    Trio recebia irregularmente triênios na folha de pagamento da prefeitura

    O escândalo vergonhoso passará a ser investigado pelo Ministério Público Federal e Estadual, assim como pela Polícia Federal, diante de provas claras e contundentes de um dos maiores desvios de verbas públicas em cidades do Maranhão.

    A prefeita Josinha Cunha garante que todas as providências estão sendo tomadas e que os envolvidos no esquema já foram devidamente afastados dos cargos para que o o município de Zé Doca passe então a ter uma economia de R$ 500 mil por mês na folha de pagamento.

    Do Minard

    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!